Comunicado – Crise Hídrica

A ArcelorMittal Tubarão informa que tem operado em regime de redução de consumo de água para o enfrentamento deste cenário de crise hídrica. Em 2015, a redução de consumo foi de 39% e nesse ano, com o recente corte de abastecimento, que equivale a um dia por semana, já acumula 49% de redução em relação ao volume de água contratada da concessionária.

Entre as ações que permitiram essa redução está a operação de uma Estação de Tratamento de Água para reuso, representando o maior investimento privado de reuso no Espírito Santo, num total de R$ 23 milhões. Esta estação tem capacidade de produzir 400 m³/h de água industrial, a partir de efluentes industriais e domésticos tratados internamente.

Também tem adotado uma série de ações internas voltadas à otimização dos seus processos, como a eliminação de perdas e aumento dos reusos internos, muitas dessas iniciativas, inclusive, sugeridas pelos mais de 10 mil colaboradores (entre empregados e terceiros) que circulam diariamente pela usina e estão engajados na busca de soluções para o problema. Além disso, a limpeza e umectação de suas vias tem sido realizada com água de reuso e a aspersão de suas pilhas de matérias-primas por meio de aplicação de polímeros, reduzindo o consumo de água nesses processos.

A empresa tem se esforçado ao máximo para atender todas as demandas de redução de consumo, controladas pela Cesan, sem que isso afete a sua produção, o que acarretaria na paralisação de equipamentos e, consequentemente, no afastamento de profissionais que atuam nesses setores. Para isso, tem focado em projetos na área de dessalinização e estudos junto à Cesan, objetivando viabilizar, por exemplo, o reuso do Efluente da Estação de Tratamento de Esgoto de Camburi nos processos industriais, dentre outros.

Finaliza informando que as gestões energética e hídrica sempre foram prioridades estratégicas ao longo de sua história. Prova disso é que a unidade é dotada de um sistema que garante que 95,5% de toda a água utilizada em sua usina venha do mar. Os outros 4,5% são provenientes de água doce fornecidas em seu estado bruto pela Cesan (a água é tratada dentro da usina), para abastecimento humano e controles ambientais, com taxa de recirculação de mais de 97%.