HomeRecursos humanosSaúde financeira / EmpreendedorismoArtigosEmpréstimos: entenda como funcionam as linhas de crédito
Serviço Social - ArcelorMittal Tubarão

Empréstimos: entenda como funcionam as linhas de crédito

As pesquisas mostram um contínuo crescimento do índice de endividamento das famílias. Isso é consequência da séria crise econômica, associada ao elevado desemprego, taxas de juros estratosféricas, inflação e taxa de câmbio elevada. Para muitas famílias, o salário acaba antes do mês e a saída que encontram é usar algumas linhas de crédito oferecidas pelos bancos.

Assim, é muito importante conhecer as tais linhas de crédito e saber quando e como utilizá-las.

Cheque especial

A maioria dos bancos oferece o “bem dito” ou “mau dito” cheque especial e, muitas vezes, o limite é muito superior ao seu salário. É fácil de usar, mas é caro.

Em alguns momentos, poderá haver necessidade de utilizar o dinheiro disponível, mas se isso vier a ocorrer, deve ser por muito pouco tempo, pois, lembre-se, que estarão incorrendo juros elevados durante os dias que em que for utilizado. Alguém que usa o cheque especial por muitos dias ou o incorpora à sua renda, certamente comprometerá muito a sua saúde financeira.

Para ter uma ideia de como age a taxa de juros sobre o cheque especial, veja o seguinte exemplo: você utilizou R$ 1.000,00 durante 6 meses e resolve quitar a sua dívida. Suponha que a taxa de juros seja de 10% ao mês (em alguns bancos essa taxa já ultrapassa os 12% ao mês). Depois de seis meses você estará devendo R$ 1.771,56, isto é, estará pagando R$ 771,56 de juros. Isso sem contar os encargos financeiros (IOF). Fuja do cheque especial. Só use se for uma emergência e por poucos dias.

Cartão de crédito

Muita atenção com esta modalidade de financiamento. O nome é CARTÃO DE CRÉDITO; isto significa que quando você o utiliza para fazer uma compra, na realidade você está tomando um empréstimo junto à instituição bancária e com uma taxa de juros muito alta, chegando, em algumas instituições, a 20% ao mês.

Vamos utilizar o mesmo exemplo anterior: R$ 1.000,00 com uma taxa média mensal de 18%. Sua dívida depois de um ano será de R$ R$ 7.287,59, além de outros encargos financeiros. Para ter uma ideia de como a taxa de juros castiga as nossas finanças, basta calcular que esses mesmos R$ 1.000,00 depois de 3 anos representará uma dívida de mais de R$ 380.000,00, ou seja o preço de um bom imóvel num bairro nobre da Grande Vitória.

O cartão de crédito bem utilizado tem uma série de vantagens, como não precisar carregar dinheiro e eliminar burocracias na compra de um produto mais caro. Entretanto, se no dia do vencimento da fatura você não quitá-la integralmente, terá início um processo de endividamento que demandará muita disciplina para reorganizar a sua vida financeira. Use o cartão, mas pague toda a fatura no dia do vencimento.

Crédito direto ao consumidor (CDC)

Essa modalidade de financiamento tem taxa de juros menor, em geral, de 6% ao mês. É muito utilizado na compra e bens de consumo duráveis – televisão, geladeira, veículos, motos, etc. Costuma ser interessante para os bons clientes dos bancos, uma vez que você paga o preço à vista ao estabelecimento comercial e o financiamento ao banco que oferecer a menor taxa de juros. Importante neste caso é avaliar se você terá como quitar todas as parcelas em dia.

Empréstimo consignado

É a modalidade de empréstimo mais barata e está sendo muito utilizada. As taxas de juros giram em torno de 2% ao mês. Como o pagamento desse tipo de empréstimo é realizado pelo desconto na folha de salário do empregado, o juro é menor, pois há baixo risco para o credor. Por outro lado, normas do governo limitam, atualmente, o valor que o empregado pode comprometer com o pagamento das parcelas em 30% do salário.

Muitos bancos estão oferecendo esta modalidade de empréstimo para quitação das dívidas com as outras modalidades de financiamento, principalmente com o cheque especial e o cartão de crédito. É uma excelente alternativa para gradativamente recuperar a saúde financeira das pessoas endividadas, pois estarão trocando dívidas com taxas médias de juros mensais de 12% para 2%.

Quem faz essa troca, no entanto, deve cessar imediatamente a utilização do cartão de crédito e do cheque especial até que toda a dívida tenha sido paga e, paralelamente, deve colocar em prática a gestão do ORÇAMENTO FAMILIAR, utilizando planilhas ou softwares de aplicativos específicos, lembrando sempre que toda a família deve participar.

Na próxima edição, vamos detalhar alguns fatores que podem ajudar na negociação das dívidas já contraídas.

Mario Vasconcelos - Consultor financeiro

Voltar

Você sabia?

  • Conforto no banco do carro - ArcelorMittal Tubarão

    Conforto no banco do carro

    Sob as almofadas de um banco de carro confortável, está uma estrutura complexa de aço e há uma boa chance de que ela seja produzida pela ArcelorMittal.

    Nosso aço também é utilizado, por exemplo, na alça que ajusta o banco, na trava que o impede de deslizar e nos trilhos onde o assento está montado.